Após 25 anos de sua morte, Cazuza segue vivo em festas, rádios e shows


O poeta não está mais vivo, mas sua poesia, sim. Há exatos 25 anos, uma das figuras mais populares e talentosas da música brasileira morria precocemente. Agenor de Miranda Araújo Neto, o Cazuza, faleceu em 7 de julho de 1990, vítima de complicações decorrentes da aids, mas sua música ainda é tocada em festas, shows e rádios.
A relevância de Cazuza ainda hoje pode ser quantificada em números: um quarto de século depois de morrer, ele ainda figura nas listas dos cem maiores arrecadadores do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad). Na contagem que calcula arrecadamento de direitos em música ao vivo, o carioca figura na 25ª posição. Para o comunicador do Grupo RBS Márcio Paz, a explicação pode estar no fato de que, em todo esse tempo, não houve alguém que preenchesse o vazio deixado com a morte do poeta. “Acho que os fãs ficaram órfãos, porque não surgiu nenhum substituto”.
Não é que as composições do carioca fossem alegres ou festivas, mas músicas como Maior Abandonado e Brasil estão sempre entre as mais pedidas de eventos como a Cadê Tereza?, festa de música brasileira que ocorre mensalmente em Porto Alegre. Nanni Rios, uma das organizadoras, lembra que Cazuza tinha esta capacidade: transformar problemas e revoltas em festa.
Confira o clipe da canção “Brasil”, sempre atual no momento atual:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ENTENDA OS MASSACRES DE CUNHAÚ E URUAÇU, DATA QUE É FERIADO NO RIO GRANDE DO NORTE

Odon Jr e Anderson realizam Festa da Vitória na próxima terça-feira (11), véspera de feriado

Festa do Boi começa nesta sexta com Aviões, Simone & Simaria, Luan Estilizado, entre outras atrações